Notícias

Concerto da Orquestra Sinfônica de São José dos Campos no Teatro Municipal

Uma noite de brasilidade musical!

Na próxima quarta-feira (20) às 20h a Orquestra Sinfônica de São José dos Campos realiza o Segundo Encontro da Série Outono das Palhetas no Teatro Municipal, um espetáculo marcado pela brasilidade musical. Esse mesmo programa será executado pela OSSJC e a solista convidada no encerramento do 47ª Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão, em um concerto ao ar livre dia 31/07 às 12h na Praça do Capivari, em Campos do Jordão - SP.

No primeiro momento a OSSJC executará a peça Canoada (2013), composta pelo Diretor Artístico e Regente da OSSJC, o maestro Marcello Stasi (1964). Formado pela Universidade de Cincinnati, mestre pela Northwestern University e doutor pela Unicamp, Stasi foi titular da Amazonas Filarmônica e regente convidado da Osesp, Sinfônica Brasileira e Sinfônica do Teatro Nacional de Brasília. A obra foi composta em 2013 e estreou na Sala São Paulo no mesmo ano. Trata-se de uma abertura programática que representa o momento em que o aventureiro alemão Hans Staden (1525-1572) foi capturado pelos Tupinambás em Bertioga, e que o levaram em uma canoada até sua aldeia.

A segunda peça da noite, O Espantalho (1941) é um verdadeiro poema sinfônico escrito por um dos mais importantes compositores nacionais, Francisco Mignone (1897-1986). A peça foi inspirada em dois quadros do pintor Cândido Portinari (1903-1962) que retratam o sertão nordestino, a seca e a vida sertaneja. A ousada obra procura recuperar a mesma atmosfera de inquietação e desolação que é transmitida nos quadros de Portinari, espantalhos esfarrapados e abandonados em uma terra árida que um dia teria sido verde e cheia de vida.

A partir da metade do programa, a Orquestra Sinfônica de São José do Campos acompanha a solista Mere Oliveira, mezzo-soprano, premiada em sete competições nacionais e internacionais de canto lírico. Nascida em Taubaté, Mere já se apresentou em vários países da América do Sul e Europa em óperas e concertos em importantes Teatros. É especialista em Performance Vocal (Brasil-Italia) e dirige o Opera Studio do Vale - Núcleo Funac-Unitau.

As três peças finais, todas compostas pelo paulista nacionalista Camargo Guarnieri (1907-1993), trazem referências folclóricas da cultural nacional. A Serra do Rola Moça foi inspirada no poema homônio de Mário de Andrade, escritor modernista que tornou-se mestre intelectual, amigo e parceiro artístico de Guarnieri. A segunda peça, Três Poemas Afro-Brasileiros, foi tecida a partir de poemas afro-brasileiros, uma prática musical de Guarnieri para construção de suas obras, que sempre escolheu textos em idioma português, afro-brasileiro e ameríndio. A ultima obra da noite, Quebra o côco, menina (1940) traz para o universo erudito a musicalidade do folclore nordestino.

REPERTÓRIO

MARCELLO STASI (1964)
Canoada (2013)

FRANCISCO MIGNONE (1897-1986)
O Espantalho

CAMARGO GUARNIERI (1907-1993)
A Serra do Rola Moça

CAMARGO GUARNIERI (1907-1993)
Três Poemas Afro-Brasileiros
I.Turuê
II. Kinjajá
III. Apanaiá

CAMARGO GUARNIERI (1907-1993)
Quebra o côco, menina
Solista: Mere Oliveira (mezzo-soprano)